Bixa Travesty

Direção: Claudia Priscilla e Kiko Goifman
Documentário, 75 min, 2018, SP, 14 anos

 

Um filme sobre a artista Linn da Quebrada, “bixa, louca, preta, favelada”, como ela canta em uma de suas músicas. Linn está pronta para desconstruir preconceitos e transgredir normas, utilizando sua música como arma contra o machismo e o conservadorismo de nossa sociedade. O corpo político da cantora é a força motriz desse documentário que revela a personagem em sua esfera pública e privada, ambas marcadas não só pela presença de palco, mas pela incessante luta pela desconstrução de estereótipos de gênero, classe e raça. O filme, construído a partir dos shows de Linn, imagens de arquivo e momentos mais intimistas, traz a dimensão de um universo que se atualiza a partir de um corpo que se transforma, um corpo político.


Kiko Goifman é graduado em Antropologia/UFMG e Mestre em Multimeios /Unicamp.
Autor do livro Valetes em Slow Motion (Editora Unicamp). Diretor de curtas, videoclipes, médias e cinco longas-metragens premiados no Brasil e no exterior. Teve retrospectiva e homenagens nos festivais de Tampere (Finlândia) Toulouse (França), Santa Maria da Feira (Portugal), entre outros.
​​
Claudia Priscilla é graduada em jornalismo pela Fundação Casper Líbero, trabalha com cinema desde 1999. Diretora, roteirista e pesquisadora, dirigiu os premiados longas-metragens A destruição de Bernardet, Leite e ferro e Olhe pra mim de novo, além dos
curtas-metragens Sexo e claustro e Vestido de Laerte. É diretora da série Transando com Laerte, do Canal Brasil, atualmente na terceira temporada.


FICHA TÉCNICA:
Coprodução: Válvula Produções e Canal Brasil
Roteiro: Claudia Priscilla, Linn da Qubrada e Kiko Goifmann
Direção de fotografia e operação de câmera: Karla da Costa
Assistente de câmera: Thais Robina
Operação de som: Tomás Franco
Mixagem: Confraria de Sons & Charutos
Montagem: Olivia Brenga

Mostra: Competitiva - Longa