Sempre verei cores no seu cinza

Direção: Anabela Roque
Documentário, 18 min, 2018, RJ, livre

 

No Brasil, a continuidade da universidade pública estadual está em risco. Desde 2015, a UERJ – Universidade do Estado do Rio de Janeiro – vive uma situação de precarização que só tem se agudizado. Estudantes, professores e funcionários que se recusam a aceitar a situação se organizam para resistir e reivindicar. Entre os protagonistas dessa luta está a estudante de arte Matheusa Passareli, ativista LGBTQ, brutalmente assassinada em abril de 2018, no Rio de Janeiro.

 

Anabela Roque nasceu em Portugal, residiu vários anos na Espanha e vive no Rio de Janeiro desde 2013. Formada em jornalismo, se especializou em produção de audiovisual no Instituto RTVE - Televisão Pública Espanhola. Estudou direção de cinema na Academia Internacional de Cinema, no Rio de Janeiro (2016/2018). Dirigiu Piano forte (2017) e Sempre verei cores no seu cinza (2018). Piano Forte participou em vários festivais no Brasil, EUA, Itália, Portugal, Austrália e Coréia do Sul. Recebeu os prémios de melhor filme na 6º Mostra Corsária - 24º Festival de Cinema de Vitória 2017, melhor roteiro no 8º Filmworks Film Festiva/AIC (RJ) 2017 e a menção honrosa do júri no 5º Festival de Cinema da Cidade de Nova Iguaçu (RJ) 2017.


FICHA TÉCNICA:

Produção: Clara Vives, Catarina Moura Santos e Marcus Vinícius Pompeu
Coprodução: Academia Internacional de Cinema
Produção executiva: Anabela Roque
Produtores associados: Nomades Associados Producões Ltda Me
Roteiro: Anabela Roque
Direção de fotografia: Vitor Augusto
Operação de câmera: André Magalhães e Vitor Augusto
Assistente de câmera: André Magalhães
Operação de som: Felipe Muxfeldt e Rodrigo Fontoura
Músicas: Primavera de Destroços - Mão Morta
Mixagem: Felipe Muxfeldt
Montagem: Barbara Daniel e Anabela Roque
Distribuidora: Anabela Roque e Nomades Associados Producoes Ltda Me

Mostra: Competitiva - Curta