LANCE MAIOR (1968)

Direção: Sylvio Back

Estado: RJ

Gênero: Ficção

Ano de produção: 1968

 

Mário (Reginaldo Faria), estudante universitário e bancário, através de uma ligação amorosa com Cristina (Regina Duarte), jovem rica, orgulhosa e emancipada, tenta ascender social­mente. Entre os dois coloca-se a sensual comerciária Neusa (Irene Stefânia), inexperiente e revoltada com a condição humilde de sua família. Cada um buscando lugar ao sol, enredam-se num diabólico jogo de sexo e amor. 


Ficha Técnica

 

(35mm, pb, 100 min.)

Direção: Sylvio Back

Argumento e roteiro: Sylvio Back,

Oscar Milton Volpini e Nelson Padrella

Fotografia e câmara: Hélio Silva

Assistente de câmara: Ronaldo Nunes

Direção de produção: Ivan de Souza

Assistente de produção: Sérgio Bianchi

Assistentes de direção e continuidade:

Sebastião de Souza e Nelson Padrella

Vestuário: Ileana Kwasinski

Maquinista: Cláudio Portiolli

Eletricista: Antonio Pfitz

Direção musical: Carlos Castilho

Canção-título: Carlos Castilho/Vitor Nunes

Intérprete: Marília Pêra

Montagem e edição: Maria Guadalupe

Laboratório: Líder Cinematográfica/SP

Sonorização: Odil Fonobrasil

Produção: Sylvio Back (Paraná Filmes),

Produções Cinematográficas Apoio

A.P. Galante e Alfredo Palácios(Servicine)

Elenco: Reginaldo Faria (Mário), Regina Duarte (Cristina), Irene Stefânia (Neusa), Isabel Ribeiro (Marga), Lota Moncada (Odete),  Lúcio Weber (Tales), Luiz Hilário (Andrade), Ileana Kwa­sinski (Conhecida), Ed­son D’Ávila (Doutor Armando), Cecília de Cristo (Eva), Sérgio Bianchi (Sérgio), Roberto Murtinho (Rogério), Fernando Zeni (Jibóia), Maria Rosa Carvalho (Maria Rosa), Esmeralda Magno (Dona Iná), Siomara Gomide (Zefa), Zaíde França (Dayse), Joel de Oliveira (Rubens), Nicolau Ramos (pai de Mário), Odelair Rodrigues (prostituta/boliche), Sonia Mara (prostituta/hotel), Lourdes Bergman (mãe de Neusa), Delci D’Ávila (prostituta II/boliche), Henrique Gomm (Garotão), Sol Rodrigues (pai de Neusa) e Doralice Bitencourt (comerciaria).

 

Premiação

“Melhor Atriz” (Irene Stefânia)

“Melhor cartaz” (Manoel Coelho)

(II Festival de Brasília/1968)

 

- Fortuna crítica

("Lance Maior") seguramente a mais legítima, consciente e sincera fita engajada de toda a conturbada trajetória do moderno cinema nacional.

 

Ruben Biáfora ("O Estado de S.Paulo"/1969).

Você conseguiu fazer a melhor análise da classe média já apresentada no cinema nacional.

 

Paulo Emílio Salles Gomes (Brasília/1969).

... a fama de clássico do longa de Sylvio Back não é despropositada.

 

- Luiz Carlos Merten (“O Estado de S. Paulo”)

... "Lance Maior" consegue captar e exprimir aspectos da nossa condição social, através de imagens de melancolia, visualidade, comovente realismo.

 

Valério Andrade ("Jornal do Brasil")

Rodado em Curitiba, o filme traz um retrato bem-feito da vida das pequenas cidades brasileiras em fins da década de 60. Estréia de Regina Duarte no cinema e primeiro longa-metragem de Back. Um trabalho sério e envolvente.

 

Dicionário do "Vídeo 93"

Fico orgulhosa por ter estreado no cinema pelas suas mãos sensíveis e talentosas, e muito grata por ter me dado a chance de ter em "Lance Maior", já um clássico, minha primeira experiência em longa.

 

Regina Duarte, atriz

Apesar da crueza de muitas cenas e da ousadia dos diálogos, o desenrolar de "Lance Maior" envolve uma permanente atmosfera de romance e li­rismo.

 

"Diário de Notícias" (Rio de Janeiro)

"Lance Maior" é uma grande prova que o cinema brasileiro pode ir muito mais além do carnaval, da favela e dos cangaceiros. O filme é tão importante para a dramaturgia assim como as peças do Arthur Miller são para o teatro moderno. Homens comuns geram muitas histórias incomuns. E você filmou isso! Parabéns!

 

Altenir Silva, roteirista e novelista.

O primeiro filme de Sylvio Back é uma agradável surpresa. É uma surpresa porque tem uma narrativa que comunica.

 

Orlando Fassoni ("Folha de S.Paulo")

Ao "Lance Maior", a expressão "cinema jovem" é aplicada no sentido legí­timo: estamos diante de um filme de, com, sobre e, especialmente, para jo­vens...

 

Ely Azeredo ("Jornal do Brasil")

"Lance Maior" foi o primeiro filme moderno a comprovar que havia vida cinematográfica abaixo do eixo Rio-São Paulo – e bem distante do Nordeste eleito pelo Cinema Novo como palco privilegiado de suas parábolas políti­cas.

 

Carlos Alberto Mattos em "Sylvio Back – Filmes Noutra Margem")

Com "Lance Maior", Sylvio Back conseguiu uma proeza difícil no cinema brasileiro: agradou ao público e à crítica, que considerou das mais felizes sua estréia no longa-metragem.

 

"Diário da Noite" (São Paulo)

"Lance Maior" é um filme violento sem violência, porque a violência está implícita. (...) Antes de ser filme de denúncia, "Lance Maior" é a auto-crí­tica de uma sociedade.

 

Nelson Padrella – co-roteirista de "Lance Maior"

 (...) uma tensão permanente entre fantasia e realidade, que não explode em fogos de artifício, capazes de extasiar o público e distrai-lo da idéia que o autor pretende comunicar. É na comunicação inteligente dessa mensagem que "Lance Maior" atinge o alvo.

 

Maurício Rittner ("Veja")

A maior virtude de "Lance Maior" é, sem dúvida, a maneira como ele soube enfocar os problemas do dia, o que faz com total força e cada ins­tante o espectador os está vendo na tela, como se o cineasta tivesse o dom de desvendar os seus segredos, os mais íntimos.

 

"Folha de Londrina" (Paraná/1968)

(...) "Lance Maior", estreia auspiciosa no longa-metragem de Sylvio Back, diretor de um estilo muito bem delineado, que continua a fazer sucesso na ficção e no documentário sem jamais cair na concessão.

 

Salvyano Cavalcanti de Paiva em "História Ilustrada dos Filmes Brasilei­ros")

Sylvio Back conseguiu fazer um filme ágil, dinâmico na sua linguagem, na sua estilística.

 

Celso Marconi ("Jornal do Comércio"/Recife)

Ao contrário da produção cinemanovista, Back explora a narrativa linear, convencional, e faz do plano-sequência uma tônica, destoando da "estética da fome", quanto do cinema udigrudi emergente.

 

Flávio Ahmed em "A História Reinventada/Sylvio Back – Filmes Noutra Margem")

... acredito na importância de "Lance Maior", onde a realidade foi recriada conforme uma visão antes de tudo crítica.

 

Oscar Milton Volpini - co-roteirista de "Lance Maior"

A virtude principal de Back está na maneira lúcida como que procurou re­fletir o comportamento e as preocupações mais comuns da juventude bra­sileira...

 

Alberto Shatowsky ("Jornal do Brasil")

"Lance Maior" é um dos mais importantes filmes realizados este ano (1968). O cinema no Paraná nasceu com Sylvio Back.

 

"Visão" (São Paulo/1968)

Sylvio: simplesmente adorei "Lance Maior". Nunca tinha visto o filme que, na minha opinião, passou os últimos 40 anos como se fossem 40 semanas. Parabéns.

 

Todd Diacon, vice-reitor da Universidade do Tennessee,

   Festival de Brasília/2008).